Publicado em 16 de junho de 2020

TECNOLOGIA - WhatsApp libera opção de pagamentos pelo aplicativo

16/06/2020
Brasil
Contabeis

A partir desta segunda-feira, 15, o WhatsApp passou a permitir pagamentos pelo aplicativo. Agora, as pessoas vão poder enviar dinheiro a conhecidos e pagar por produtos de empresas por meio do app.

O Brasil é o primeiro a receber o novo recurso. Inicialmente, serão aceitos apenas cartões de débito ou crédito de Banco do Brasil, Nubank e Sicredi, tanto das bandeiras Visa quanto Mastercard. A processadora das transações será a Cielo.

Pagamentos WhatsApp

A novidade do WhatsApp começa a ser liberada hoje a um grupo selecionado de pessoas, que receberá uma atualização. Os outros usuários devem ter acesso ao recurso ao longo das próximas semanas.

Quando isso acontecer, a opção "pagamento" será incluída no menu de ações — ele é acionado ao clicar no sinal "+" nos iPhones e no de clipe nos Androids.

A plataforma de pagamentos abrangerá todos os apps do império de Mark Zuckerberg, que inclui WhatsApp, Facebook e Instagram, e dará contornos mais bem definidos ao que pode ser a primeira fonte de receita consistente do WhatsApp.

Esta também é a estreia no Brasil da Facebook Pay, a carteira virtual do Facebook e do Messenger lançada em novembro do ano passado nos Estados Unidos.

Pagamentos digitais

Matt Idema, diretor de operações do WhatsApp, contou à reportagem que a empresa busca há dois anos um método de pagamentos digitais. O foco inicial é ajudar pequenas empresas a expandir os negócios, e nisso o Brasil é um importante mercado.

Ele sinalizou que, em breve, outros apps como Instagram e Facebook poderão também ser usados por aqui para enviar dinheiro e os usuários poderão usar as mesmas informações financeiras já incluídas no cadastro do WhatsApp.

Esta estratégia foi anunciada em 2019 por Zuckerberg, que pretende integrar seus aplicativos o máximo possível, a ponto de um usuário poder usar o WhatsApp para mandar mensagem a outro no Instagram.

Transferências gratuitas

Os interessados em pagar por produtos, enviar ou receber dinheiro pelo WhatsApp terão de cadastrar um cartão de débito ou crédito de um dos bancos parceiros.

Antes de começar a usar a ferramenta, é preciso aceitar seis termos: termos do pagamento e política de privacidade do WhatsApp, termos do pagamento e política de privacidade do Facebook, e termos e comunicado de privacidade da Cielo.

Depois, é preciso criar uma senha numérica para o Facebook Pay (você pode usar a impressão digital). É este código, chamado de PIN, que será usado para autorizar as transferências de dinheiro dentro do app, e não a senha usada para movimentar a conta bancária.

O envio de dinheiro entre duas pessoas será gratuito, mas para garantir que esta modalidade não seja usada por empresas há restrições: Apenas cartões de débito serão aceitos; Poderão ser mandados até R$ 1.000 por transação; Uma só pessoa poderá receber 20 transações por dia; Haverá um limite de R$ 5.000 por mês.

Taxa para empresários

O Facebook cobrará uma taxa de 3,99% sobre o valor da transação de empresários que usem contas no WhatsApp Business.

As taxas cobradas em outros serviços são menores. Fora do aplicativo, a taxa de desconto da Cielo é de 2,39% (débito) e 4,99% (crédito). Já a da Getnet varia entre 1,95% (débito) e 3,09% (crédito) e a da Rede, do Itaú, varia de 1,99% (débito) a 3,49% (crédito).

Para usar o recurso, os comerciantes terão de habilitar suas contas para receber pagamentos por vendas feitas pelo app.

O processo é bastante similar ao de usuários comuns, mas os empresários têm de aceitar os termos de serviço do comerciante, o acordo de vendedor do Facebook e o contrato de credenciamento da Cielo.

Além disso, segundo seus termos de pagamento, a plataforma pode fazer transferências e pagamentos usando vale-presentes, boletos pré-pagos ou ainda optando que o dinheiro transferido seja debitado na conta de celular.

Regras

As transferências voltadas às pessoas não podem: ser feitas por menores de idade; ser exploradas por empresas: o uso corporativo ou comercial deve ser feito apenas pelo WhatsApp Business.

Caso descubra alguma quebra da regra, o Facebook pode desfazer ou pausar a transação sem avisar o usuário; ser relacionadas a atividades proibidas, como armas, munições ou explosivos e jogos de azar, jogos de habilidade, loterias, sorteios ou esportes fantasia.

Neste caso, o Facebook ainda é mais duro. Não só pode suspender a transação e congelar os fundos, mas também desativar totalmente a conta e até denunciar a ação às autoridades.

Privacidade e segurança

Segundo Idema, o Facebook não acessará ou manterá registro das transferências financeiras. Isso será feito pelos bancos.

 

“São os bancos que mantêm registro dessas transações, como fazem em qualquer transação com cartão de débito. Eles já estão processando transações hoje para garantir que atividades ilegais não aconteçam, e é assim que estamos gerenciando riscos.”


Receba nossa newsletter Fique sempre bem informado com a nossa newsletter!

Cadastre-se