Publicado em 12 de fevereiro de 2020

MERCADO - Busca por novos mercados ajuda empresas a aumentar receita e a se modernizar

12/02/2020
Brasil
CNI

Quando foi criada, em 1949, a Marcopolo S/A era uma oficina de pintura de cabines de caminhões e de chapeação. Hoje, a empresa de Caxias do Sul (RS) é a 3ª maior fabricante de carrocerias de ônibus do mundo, responsável por quase metade da produção nacional de ônibus e exporta veículos completos e desmontados para mais de 100 países. O processo de internacionalização da Marcopolo é um exemplo de uma dinâmica gradual de expansão – que funciona de forma diferente para empresas de setores e portes diversos.

Cyntia Calixto, professora do Centro de Empreendedorismo e Novos Negócios da Fundação Getúlio Vargas (FGV), explica que não há receita de bolo que funcione para todos os segmentos produtivos, mas afirma que as companhias interessadas em explorar outros mercados devem separar recursos financeiros e humanos para a empreitada.

“Uma empresa de pequeno porte pode optar por continuar produzindo no Brasil e vender no exterior, essa é a forma mais barata, conhecida como exportação indireta. Depois, quando ela se sentir mais madura, pode firmar parcerias lá fora ou optar pela aquisição de organizações semelhantes, que é uma forma de ingressar em países que impõem restrições legais à entrada de empresas estrangeiras”, explica.

De acordo com o diretor de Estratégia e Negócios Internacionais da Marcopolo, André Vidal Armaganijan, o processo de internacionalização teve dois momentos distintos. No primeiro, a empresa investiu na abertura de unidades de montagem e de finalização dos ônibus em outros países. Nessa época, entre 1997 e 2003, foram abertas fábricas na África do Sul, na Colômbia, no México e em Portugal –essa fechada em 2009.

“Os ônibus eram manufaturados em grande parte nas fábricas brasileiras e exportados de diferentes formas, de acordo com as exigências de cada país ou cliente. Com o aumento das vendas, o contínuo treinamento de mão-de-obra e o desenvolvimento de fornecedores locais, a Marcopolo S/A gradativamente conquistou esses mercados. Atualmente, em seu ramo, é líder na África do Sul, no México e na Colômbia”, afirma Armaganijan.

No 2º momento, a empresa se associou a companhias locais para conseguir penetrar em mercados competitivos. Por meio de joint ventures, a Marcopolo S/A conseguiu se estabelecer no Egito e na índia. A empresa também possui participação acionária na New Flyer, empresa norte-americana de ônibus urbanos e rodoviários que tem unidades fabris nos Estados Unidos e no Canadá.

Relatório divulgado no 3º trimestre de 2019 mostra a importância dos negócios que a empresa possui no exterior para a saúde financeira da Marcopolo S/A: 47% da receita líquida é oriunda de exportações e das operações internacionais. “A expansão das atividades da Marcopolo por intermédio da abertura de novas unidades em diferentes países permitiu que a companhia registrasse, entre 2005 e 2015, crescimento de sua receita líquida em seis vezes, quase triplicasse o número de unidades de ônibus produzidas e aumentasse o valor das ações em mais de 600%”, destaca Armaganijan.

Ele pontua que esse crescimento ocorreu apesar das dificuldades que empresas brasileiras enfrentam quando se aventuram no mercado internacional. “O produto brasileiro perde competitividade por diversos motivos, o que impede um maior crescimento das exportações a partir do Brasil”.

Entre os motivos que dificultam a internacionalização de empresas brasileiras está o fato de que a economia do país possui, historicamente, baixa exposição ao mercado global.

Essa é a avaliação do diretor de Estudos Setoriais de Inovação e Infraestrutura no Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), André Tortato Rauen. Ele acredita que o ambiente de negócios brasileiro torna a competição internacional uma atividade de risco para muitas companhias. “A mais óbvia e evidente dificuldade é a de operar no mesmo nível de produtividade que os concorrentes. É importante lembrar que as empresas brasileiras cresceram explorando o vasto mercado interno, com grande proteção externa. Operar fora do Brasil e mesmo exportar não é algo que a nossa sociedade estimulou nas empresas nacionais. Portanto, outra grande dificuldade é a de mudar para um paradigma diferente daquele moldado pelo consumidor brasileiro”.

 

Desafio também para os gigantes

Em 2008, a Eletrobras, maior companhia brasileira de geração e de transmissão de energia elétrica do país, foi autorizada por lei a expandir seus negócios para outros países. A empresa mapeou os mercados mais promissores e chegou a ter escritórios no Panamá, no Peru e no Uruguai.

“O escritório do Panamá observava toda a América Central e a América do Norte. O escritório no Peru, observava toda a região andina e o escritório no Uruguai observava toda a região do cone sul”, detalha Saul Mendonça, superintendente da área internacional da Eletrobras.

A empresa também avaliava a possibilidade de desenvolver projetos na África do Sul, em Moçambique, na Nicarágua e na Nigéria, mas uma conjunção de fatores interrompeu o processo de internacionalização. As dificuldades que a economia brasileira enfrentou nos últimos anos foram só um dos elementos que frearam a expansão da companhia.

“Na Eletrobras, essa crise acabou sendo mais aguda porque tivemos a crise econômica brasileira, tivemos uma crise política muito forte e tivemos um regime hidrológico que foi o pior de várias décadas. A nossa matriz é basicamente hidrelétrica, então a empresa teve uma tempestade perfeita que afetou a sustentabilidade financeira. O processo de internacionalização encolheu e entramos numa fase de reestruturação”, explica Mendonça.

Os projetos de construção de hidrelétricas em Tumarín, na Nicarágua, e em Inambari, no Peru, foram descontinuados. O projeto de produção de energia eólica em Artilleros, no Uruguai, foi o único que saiu do papel e produz atualmente 65 megawatts. Além disso, a Eletrobras administra as conexões regionais do país com a Argentina, com a Venezuela e com o Paraguai –essa em função do gerenciamento da Usina Hidrelétrica de Itaipu, que é binacional.

O desejo de expandir as operações não saiu do radar da Eletrobras, mas novos passos dependem do governo, que é acionista majoritário da empresa e sinalizou o desejo de privatizá-la.

O Brasil ainda é o mercado principal da companhia, mas Mendonça acha que a internacionalização é positiva por permitir o contato com novos modelos de negócios. “E diria que a internacionalização é um hedge natural. Você não tem a sua receita oriunda de um único mercado. A empresa estaria mais protegida. Pegando a história pública da Eletrobras: mais de 90% da nossa geração é hidrelétrica, dependemos do regime das águas do Brasil, e quase 100% da nossa operação está no mercado brasileiro. Na hora em que o Brasil entrou numa crise econômica, em um ciclo de recessão, o nosso mercado era o Brasil. Se o Brasil não expande a sua capacidade de geração, a Eletrobras não pode expandir a sua capacidade de geração e, consequentemente, não pode expandir a sua receita”.

 

Centros internacionais de negócios

Se uma companhia do porte da Eletrobras passa por percalços para expandir suas operações para outros mercados, é fácil presumir as dificuldades que micro, pequenas e médias empresas enfrentam quando tentam iniciar esse processo. A Rede Brasileira de Centros Internacionais de Negócios (Rede CIN) foi criada em 1998 para ajudar empresas de todos os portes e áreas de atuação a comercializar seus produtos em outros países.

Coordenada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), a iniciativa tem unidades de atendimento nas 27 capitais brasileiras e oferece cursos para capacitar gestores sobre as etapas do processo de internacionalização. A rede também auxilia com a emissão do certificado de origem e do ATA Carnet, documentos para agilizar o fluxo de mercadorias e reduzir o custo para as empresas.

“Uma empresa geralmente emite o certificado de origem quando quer vender seus produtos para um país com o qual o Brasil possui acordo comercial. Para ter o benefício tributário, ela precisa do certificado de origem. Já o ATA Carnet é como se fosse um passaporte do produto e vale tanto para a exportação quanto para a importação. Ela aumenta a segurança no transporte, reduz os trâmites burocráticos nas aduanas e diminui o risco de apreensão ou retenção de mercadorias. Também ajuda artistas brasileiros a levar instrumentos e equipamentos para eventos fora do país”, explica o gerente-executivo de Assuntos Internacionais da CNI, Diego Bonomo.

A rede não arca com os custos de emissão desses documentos, mas facilita a participação de empresas brasileiras em feiras internacionais de promoção de negócios, como a Feira de Hannover na Alemanha, a maior feira industrial do mundo.

Outro serviço que a Rede CIN oferece são consultorias personalizadas para identificar os países mais atraentes para um determinado segmento industrial e a forma mais competitiva de acessar novos mercados. “Quando a gente fala em internacionalização, estamos falando de qualquer vinculação de empresa brasileira com o mercado internacional. Pode ser exportação, pode ser importação, pode ser buscar um parceiro estrangeiro para um negócio no Brasil e pode ser auxiliar uma empresa brasileira a investir no exterior. O serviço mais procurado hoje é o de promoção de negócios. Ajudamos uma empresa que já está razoavelmente madura, já tem um produto competitivo e já tem a internacionalização como parte da sua estratégia. Nós potencializamos a capacidade dessa empresa, seja levando ela para o exterior, seja trazendo compradores internacionais para o país”, detalha Bonomo.

 

Agenda internacional da indústria

A Rede CIN trabalha ainda para melhorar o ambiente de negócios do comércio exterior brasileiro. Todos os anos, o grupo divulga uma agenda internacional do setor produtivo. O documento especifica as barreiras aduaneiras que dificultam o acesso de empresas brasileiras a alguns mercados e joga luz sobre questões logísticas e tributárias que tornam o processo de internacionalização ainda mais complexo. “A melhoria do ambiente de negócios tanto no cenário interno quanto internacional é fundamental para aumentarmos a competitividade dos produtos brasileiros no mercado global. Esse é o foco da atuação da CNI nos mecanismos internacionais”, ressalta o diretor de Desenvolvimento Industrial da CNI, Carlos Abijaodi.

Em parceria com a Agência Brasileira de Promoção das Exportações (Apex), a rede possui desde 2008 um fundo para custear ações de promoção de negócios. A atuação das duas entidades é complementar. Enquanto a agência do governo trabalha com setores específicos, a Rede CIN atua com empresas, preenchendo uma lacuna uma vez que nem todas as companhias do país estão vinculadas à associações setoriais. “Nosso maior público são micro, pequenas e médias empresas, porque elas geralmente não possuem uma grande estrutura focada na internacionalização. Já as grandes empresas nos procuram para participar da agenda de melhoria do ambiente de negócios. Como elas representam o maior volume do comércio exterior do país, possuem operações complexas e são fonte de informações para que a gente possa identificar pontos a serem aperfeiçoados”, explica o diretor da CNI.


Receba nossa newsletter Fique sempre bem informado com a nossa newsletter!

Cadastre-se