Publicado em 10 de maio de 2021

EMPREENDEDORISMO - Lives na internet criam oportunidades de vendas para pequenos negócios

10/05/2021
Brasil
Administradores

O chamado live commerce é considerado uma grande promessa para os negócios digitais no Brasil. Para as micro e pequenas empresas, o formato pode ser uma alternativa para vendas online, principalmente para os empreendedores que já possuem presença digital, comercializando produtos ou serviços pelas redes sociais, lojas virtuais ou marketplaces. A China é considerada pioneira no formato que está sendo replicado pelo mundo, principalmente nos segmentos de cosméticos, alimentos bebidas e vestuário. No Brasil grandes marcas já experimentam as vendas transmitidas ao vivo por meio de plataformas que permitem a divulgação dos produtos, interação com a audiência e o pagamento em um mesmo ambiente virtual.

De acordo com o analista de Relacionamento do Sebrae Ivan Tonet, ainda é preciso que as plataformas especializadas em live commerce diversifiquem seu modelo de atuação para possibilitar que os pequenos negócios também explorem esse formato. "Fora do país, já existe um movimento das redes sociais para disponibilizar a live commerce e, em breve, também deve se expandir para o Brasil. A democratização do modelo deve acontecer de uma forma mais intensificada ainda este ano", adiantou.

Mas enquanto isso, o analista explica que os pequenas negócios podem experimentar a nova tendência, primeiramente avaliando a base de clientes. "Observe se sua clientela vai permitir essa interação, pois ao contrário do marketplace, você vai precisar atrair o público por meio de uma divulgação", explicou. Outro ponto importante, segundo Tonet, é ter uma estrutura mínima para fazer a live: "Com um bom celular, um tripé e um ring light já é possível experimentar, mas não esqueça de criar um cenário adequado e planejar a transmissão com um roteiro que permita manter a audiência. Se você ainda não tiver essa desenvoltura para se apresentar, procure parcerias com quem já faz isso, como influenciadoras".

É o caso da microempreendedora individual (MEI), Ana Maria Brum, dona da loja virtual Brum Curvy, de moda plus size que existe há quatro anos em São Paulo. Depois que as vendas de roupas começaram a cair durante a pandemia, ela buscou inovar para atrair as clientes. "No começo da pandemia houve mais curiosidade das pessoas pelas compras online, mas como roupa não é um item de primeira necessidade e as pessoas não estavam saindo de casa, as vendas começaram a cair e o desespero bateu", contou.

Foi quando ela procurou a amiga Vanessa Campos, que é jornalista e blogueira, e recebeu incentivo para fazer uma live pelo Instagram. "Às vezes estamos tão bitolados nos problemas que não enxergamos o que acontece ao nosso redor. Com a ajuda da Vanessa, buscamos inspiração nas marcas que já estavam fazendo. Em um primeiro momento eu fiquei insegura, porque não sabia se o meu público iria aceitar, mas depois eu resolvi arriscar, pois o máximo que poderia acontecer era ficar falando sozinha", contou.

Em dois meses, Ana Maria já realizou quatro lives na rede social e conseguiu vender roupas que estavam paradas no estoque. Grávida de nove meses, não tem sido fácil tocar o negócio sozinha. Na última live, convidou Vanessa, que também é influenciadora, para ajudá-la. A empreendedora acredita que o formato ao vivo permite maior aproximação com os clientes e torna o ambiente online menos frio. "É uma forma de humanizar a marca ao mostrar o meu rosto. Não é todo mundo que conhece a Ana Maria por trás da Brum Curvy", analisou.

Quanto ao formato, a empreendedora explica que não tem muita regra e tudo acontece de forma intuitiva, como se fosse um bate-papo, a partir da interação com as clientes. "Eu separo as peças em uma arara no quarto da minha casa e vou mostrando, seja no cabide, por meio de fotos ou até mesmo visto algumas peças", contou. Os pedidos são negociados por meio de pequenos lances de baixo valor, semelhante a um leilão virtual, e por meio de mensagens privadas no Instagram ou pelo Whatsapp, são enviados links para pagamento por boleto ou com o uso do Pix. "Eu fui testando o meu público para perceber melhor quais eram as necessidades deles e fiz uma enquete para saber qual seria o melhor horário. O retorno está sendo bem positivo, algumas clientes não perdem as lives e sempre consomem", destacou.

 


Receba nossa newsletter Fique sempre bem informado com a nossa newsletter!

Cadastre-se