Publicado em 02 de setembro de 2019

ECONOMIA - Passivo Bancário de Curto Prazo – Precisamos estender esse prazo

A necessidade de Capital de Giro, faz com que empresas muitas vezes busquem operações que resolvam o momento, entretanto, o Endividamento de Curto Prazo pode trazer sérias complicações a Gestão.

Operações de Curto Prazo

O conceito Curto Prazo na Gestão Empresarial baseia-se em menor ou igual a 12 meses.

Quando empresas dos mais diversos segmentos buscam linhas de crédito, sejam elas: Capital de Giro, Conta Garantida com recebíveis ou mesmo aval, Desconto de Duplicatas, Cheque Especial, entre outras, em sua grande maioria essas linhas estão causando o Endividamento de Curto Prazo.

O Curto Prazo (Passivo) somado aos outros compromissos da empresa: Salários, Fornecedores, Impostos, entre outros, ocasiona a “falta de caixa”, com isso mais uma vez a empresa vai ter que recorrer a recursos de terceiros, ou seja, aumentar o Endividamento Bancário no Curto Prazo.

O Curto Prazo é bom aos Bancos

É sonho de todo empresário ter seu Contas a Receber com o menor tempo de liquidação possível, e é exatamente isso que os bancos fazem quando liberam linhas no Curto Prazo, tem os contratos assinados com os clientes e seus vencimentos se realizam “rapidamente”, porém, essa equação tende a acabar com a liquidez da empresa.

Endividamento vem aumentando no Curto Prazo? Ações devem ser tomadas no Curtíssimo Prazo

Quando o Passivo Bancário, aumenta mesmo que de forma controlada no Curto Prazo, em geral, é sinal que há um desequilíbrio nos Resultados da empresa (há exceções), nesse caso, duas estratégias devem ser colocadas em pratica quase que simultaneamente:

Ações estratégicas devem ser conduzidas por profissionais especialistas

Sentar-se a mesa dos gerentes de bancos e buscar o alongamento ou negociação das dívidas bancárias, na grande maioria das vezes quando realizada por empresários / gestores, trará mais complicações que benefícios; geralmente esses profissionais nunca passaram por situações semelhantes e com certeza não conseguem ter a visão por completa (planejamento) para obter o melhor resultado nesse processo de negociação.

Quando os bancos negociam diretamente com os profissionais da empresa, os mesmos utilizam-se de estratégias que os protegem, seja na questão de prazo pouco extenso, seja na questão das taxas e principalmente na questão garantia, os mesmos “amarram” a empresa com garantias reais.

Especialistas em Renegociação de Dívidas Bancárias

Quando a negociação das dívidas com os bancos são conduzidas por profissionais especialistas, a tratativa é totalmente diferente de quando é feita de forma orgânica (pelos próprios profissionais da empresa), todo o planejamento é colocado a mesa e discutido detalhadamente, por linha de crédito e banco; as ações que serão colocadas em pratica e as possíveis complicações que poderão ocorrer também serão discutidas para que “surpresas” não façam parte desse processo.

Ao final, podemos afirmar com toda segurança, todo o Passivo é alongado com as melhores taxas praticadas no mercado e o mais saudável para a empresa: sem envolver garantias reais e também seus recebíveis, assim a empresa terá fluxo para continuar suas operações.

A Negociação Administrativa sempre foi a melhor alternativa

Todos sabemos que a opção de discutir algo juridicamente deve ser a última alternativa, pois além de ter um custo considerável é moroso e com um final imprevisível.

A discussão administrativamente é uma maneira de demonstrar aos credores que a empresa vive um momento difícil e de forma saudável e profissional quer apresentar uma alternativa de solução, e quando essa alternativa é colocada a mesa de forma transparente e planejada, os resultados são extremamente positivos a empresa.

Fonte: Contábeis


Receba nossa newsletter Fique sempre bem informado com a nossa newsletter!

Cadastre-se