Publicado em 28 de agosto de 2020

ECONOMIA - Confiança cresce em mais de 90% dos setores industriais

28/08/2020
Brasil
CNI

Agosto consolidou o aumento da confiança da indústria, num movimento iniciado após abril, mês mais crítico desde o início da pandemia do novo coronavírus. Em todos os setores considerados, o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) ficou acima dos 50 pontos, o que revela o otimismo por parte do empresário, como mostra pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI). A indústria da transformação e extrativa apresentaram indicadores bem próximos, de 57,5 pontos e 57,2 pontos respectivamente, seguidas da indústria da construção, com 54 pontos.

Dos 30 setores analisados, o indicador registrou alta em 28 deles. Entre os setores mais confiantes, destaques para os produtos de minerais não metálicos, com 63,3 pontos, produtos de borracha (62,8) e produtos de plástico (61,7). Os empresários do setor de produtos farmoquímicos e farmacêuticos, bem como os dos produtos de madeira, também apresentam um ICEI acima de 60 pontos: 61,4 e 60,2.

Na outra ponta da tabela, entre aqueles que não estão tão confiantes, os menores indicadores registrados são no setor da manutenção, reparação e instalação de máquinas e equipamentos, com 50,2 pontos, seguido da impressão e reprodução de gravações (50,3) e calçados e suas partes (50,4). Também próximo do limiar que divide a confiança positiva da negativa estão os empresários de couros e artefatos de couro (50,7) e outros equipamentos de transporte (50,8).

Confiança é maior no Norte e no Sul e entre empresas de grande porte

A confiança é maior nas empresas das regiões Norte (59,0) e Sul (58,0). Logo atrás aparecem nordeste (56,5), Centro-Oeste (56,4) e Sudeste (55,3). No recorte por porte, o índice é maior entre a grandes indústrias (57,8), em seguida aparecem as médias (56,8) e, por último, as pequenas (55,1).

O ICEI varia de 0 a 100 pontos. Quanto mais acima de 50 pontos, maior e mais disseminada é a confiança. Da mesma forma, quanto mais abaixo de 50 pontos, maior e mais disseminada é a falta de confiança. A pesquisa foi feita numa amostra de 2.328 empresas, sendo 913 pequeno porte, 855 médio e 560 de grande porte, entre os dias 3 a 13 de agosto de 2020.


Receba nossa newsletter Fique sempre bem informado com a nossa newsletter!

Cadastre-se