Notícias Empresariais

Tweet

Procure trabalho e não emprego

Quando a oferta é muita a escolha é pouca. Isto é o que vem acontecendo no mercado de trabalho brasileiro. Com os inúmeros profissionais disponíveis, as empresas acabam por ficar numa posição confortável, com maior opção de escolha e uma coisa é certa, cada vez mais as empresas buscam profissionais com fome de trabalho e não aos que buscam apenas um emprego.



Outra mudança foi a contração de centenas de imigrantes qualificados vindo principalmente de países europeus como Portugal. Com isto a falta de qualificação brasileira tem sido quase que coberta, diminuindo ainda mais as chances dos profissionais brasileiros. O Brasil perdeu muito tempo em operações tapa buracos com profissionais apenas com experiência e sem qualificação profissional.



Hoje, ao avaliar um currículo, as empresas de recrutamento começam geralmente pelas qualificações e na maioria dos casos, ainda que você tenha bastante experiência comprovada, você acaba por ficar à parte, substituído por outro com qualificações principalmente universitárias. Este é uma mudança que já vem ocorrendo a tempos mas nos últimos anos se tornou mais evidente.



Muita gente “ficou a sombra da bananeira” a espera de um emprego, visando o salário. Não sejamos hipócritas, trabalhamos visando principalmente o salário. Todavia as contratações devem ser uma “união justa”. A empresa te oferece o posto de trabalho mas você deve fazer com o seu salário seja justificado. E para isto só existe um caminho que é trabalhar, trabalhar e trabalhar.



Você deve ter em mente que as empresas foram feitas para dar lucro e quanto mais você colabora com isto, quanto mais fiel você é a ela, mais seguro você está. Só um contrato efetivo hoje em dia não é garantia. As empresas já entenderam que mais vale “perder” um pouco em indenizações por despedimento, pois um novo profissional pode fazer com que a empresa recupere isto rapidamente e continue no caminho do crescimento.



Este modelo de sucesso tem sido aplicados em outros países e o Brasil finalmente acordou. Não é atoa que cada vez mais existem empresas de trabalho temporário ou de “outsourcing”. Assim as empresas ficam seguras caso o profissional não rentabilize o esperado. Os despedimentos são cada vez mais simples e menos dolorosos, economicamente falando.



Para isto só existem duas saídas. Se você não possui qualificações comece a investir nisto já e pare de procurar um emprego, mas um trabalho onde você possa fazer um compromisso de igual para igual com o contratante e aí sim, ter estabilidade profissional.


[ voltar a listagem de notícias ]